A “comoditização” das academias
A “comoditização” das academias
Posted by

A “comoditização” das academias

Quando você se dedica a estudar e aplicar as práticas do marketing, seu negócio começa a tornar-se único, diferente e sustentável.

Tenho, frequentemente, insistido na tese da “comoditização” das academias. É muito difícil encontrar uma academia pequena e/ou média que tenha um diferencial competitivo real, claro e bem explorado.

A maior parte das academias é formatada, no início, com base em outras academias que o empreendedor conheceu. Tanto a estrutura quanto os serviços (e principalmente esses) são pensados para serem “melhores” do que os dos concorrentes, mas não diferentes.

Logicamente ser melhor é um objetivo louvável, mas até que ponto o consumidor percebe e valoriza essa diferença, mesmo admitindo-se que ela exista? Nos Estados Unidos costuma-se mencionar a chamada “síndrome do Wal-Mart”, caracterizada pela migração do consumidor de outras lojas para essa rede varejista, devido aos preços mais baixos praticados para produtos que podem ser encontrados também em outros varejistas. Embora no início o consumidor possa resistir ao apelo, pelo aspecto e serviços quase espartanos do Wal-Mart, em algum momento ele acaba comprando lá, pois não reconhece nos concorrentes uma diferença significativa a ponto de vencer o preço mais baixo.

Como escreveu John McCarthy, ex-diretor executivo da IHRSA, em 2004, “comoditização refere-se à situação que um mercado experimenta toda vez que alguém começa a fazer uma mesma coisa exatamente do mesmo jeito… Em um mundo comoditizado, a empresa com o menor preço torna-se, de fato, ‘rei da montanha’…dois fatores – preço e conveniência – reinam supremos. Nesse ambiente sem perdão, o consumidor pergunta-se apenas duas questões sobre o produto ou serviço: qual está mais perto e qual é mais barato?”

É muito comum (muito comum mesmo) encontrar proprietários e gerentes de academias que dizem: “o diferencial da minha academia é o atendimento!”. Como diz o consultor Almeris Armiliato, “atendimento não é diferencial, é obrigação.” Concordo, com uma pequena reserva. Creio que o atendimento pode ser um diferencial, mas apenas em empresas nas quais tudo é planejado para que o cliente sinta-se exclusivo, em geral nos setores que focam no consumo de alto luxo. Para que seu atendimento seja realmente o diferencial, você precisa gastar “os tubos” em treinamento, contratar as pessoas certas, pagar salários acima da média e, logicamente, terá de cobrar mais (bem mais) para conseguir oferecer um atendimento desses. Estou falando sobre a Daslu (antes dos problemas que enfrenta), os restaurantes mais caros, os hotéis dos sonhos.

Por isso, a necessidade de marketing para academias. Porque o marketing de verdade é diferenciação. Quando você se dedica a estudar e aplicar as práticas do marketing, seu negócio começa a tornar-se único, diferente e sustentável.

E ao falar em marketing, estou falando de uma prática maior que a propaganda, a comunicação somente. O marketing como sinônimo de gestão estratégica, que deve permear todos os departamentos da empresa, sempre voltado para o consumidor, buscando a resposta correta à pergunta fundamental:

Sua academia é diferente em alguma maneira CONCRETA, REAL, PALPÁVEL e SIGNIFICATIVA do ponto de vista do consumidor?

 

Marcos Tadeu é diretor da FMS – Fitness Management School e representante no Brasil da REX Roundtables.  mtadeu@alliancefitness.com.br www.alliancefitness.com.br

 


Comments

0 1 3599 01 fevereiro, 2013 Marcos Tadeu, Marketing e Vendas fevereiro 1, 2013

About the author

Thais Almeida é diretora e curadora de conteúdo deste portal.

View all articles by Administrador

Pesquisar

Facebook